Escucho el silencio del tiempo que pasa _ escuto agora o silêncio, me quedo con él y en él, entro en las letras y en los números _ atravesso letras e números, embalo e calo _ las callo y los cuento, busco el prodígio de la relación constante _ afloro o prodígio da relação constante, a assombrosa claridade do silêncio, o encontro transparente da verdade _ el asombro cintilante de la vida ____ SOY pi & phi _

21/3/09
















Paz no lugar dos milagres,
onde o oculto se aparece
e o dormido acorda.

Paz no ar temperado,
dentro da água virgem,
na raiz da flor que brilha e nela.

Paz nas cores das coisas,
no seu ser fora de mim
e que a mim vem.

Paz impensada e leve,
que frota entre o não pensado,
que flui entre o vivido
e se sente como se se pensasse.

Paz quase virtual,
mas densa como o espaço
que envolve todo teu corpo.

Paz sublime no céu da terra,
enredada entre as palavras ocas,
dando forma ao escrito,
apesar de tudo.

Paz ubicua e infalível,
batismo, religião, fe,
salvação de todos meus pecados.

Paz agora,
paz contigo,
esta paz tão latente
que dás quando tu és em mim.
















(Ilustración de Alberto Vázquez)





1 comentario:

in_side dijo...

lavro a terra

planto al-faces

cenouras

al-fazema

e alho

( toda a sopa é

d e v a g a r



*

Archivo del blog

DMCA.com