Escucho el silencio del tiempo que pasa _ escuto agora o silêncio, me quedo con él y en él, entro en las letras y en los números _ atravesso letras e números, embalo e calo _ las callo y los cuento, busco el prodígio de la relación constante _ afloro o prodígio da relação constante, a assombrosa claridade do silêncio, o encontro transparente da verdade _ el asombro cintilante de la vida ____ SOY pi & phi _

20/3/09








Descobri onde estão as coisas que não são

e como nomeá-las para inventá-las.



Chamei ao beijo, beijo,
ao ar, ar,
à voz, voz
e à palavra, palavra.


Desta maneira,
cada vez que invento o que não está,
o imagino.





Mas tu não és verdade aqui,
nem eu posso concebirte
além que quando vejo teus olhos com os meus.
Tu vives unicamente na verdade,
tu és,
e nomear teu nome não te constrói.




Somente a palavra como palavra,
renomada, fabricada,
inventada como coisa que não é,
é certa quando é escrita.








A palavra e tu,

ela é a única verdade aqui

e tu a verdade fora dela.


(Ilustración de Alberto Vazquez)





2 comentarios:

in_side dijo...

todas as cores se
derramam no espaço

emudecendo as palavras,

( bela essa história inscrita
doutras formas no meu vento nos poços

onde sou e
entro,

olhos-coração-de-flor
osso-de-ossos,



*

in_side dijo...

todas as cores se
derramam no espaço

emudecendo as palavras,

( bela essa história inscrita
doutras formas no meu vento nos poços

onde sou e
entro,

olhos-coração-de-flor
osso-de-ossos,



*

Archivo del blog

DMCA.com