Escucho el silencio del tiempo que pasa _ escuto agora o silêncio, me quedo con él y en él, entro en las letras y en los números _ atravesso letras e números, embalo e calo _ las callo y los cuento, busco el prodígio de la relación constante _ afloro o prodígio da relação constante, a assombrosa claridade do silêncio, o encontro transparente da verdade _ el asombro cintilante de la vida ____ SOY pi & phi _

5/3/09

Poema Fianólico







O vento vem desde um lugar
que é todos os pontos cardeais
que vivem na rosa dos ventos
e que são somente um.


















Se já se disse que os quatro pontos cardeais são três:
Norte e Sul,
eu digo que não,
que todos são um.


















Mas além disso,
o vento vem desde todos os planos dimensionais,
desde todas as dimensões do espaço
e desde todos os espaços que o ar não abrange.









E é por tanto que quando passa através de um,
o vento se desfaz em infinitos fíos,
que nos envolvem,
que enhebran-nos
e que nos tecem.

















E é assim também,
que se escreve este poema fianólico,
que mesmo que não existe,
vai a todos os lugares
e vem só de um.






1 comentario:

in_side dijo...

o vento é coisa

de gente

entre-gato-e

-pássaro

( o vento

des-enrola-se

( por nada

e assobia-

-adormecendo

no centro da

rosa

( e vai-voando-a-cantar

no

coração da

noite,





~

Archivo del blog

DMCA.com