Escucho el silencio del tiempo que pasa _ escuto agora o silêncio, me quedo con él y en él, entro en las letras y en los números _ atravesso letras e números, embalo e calo _ las callo y los cuento, busco el prodígio de la relación constante _ afloro o prodígio da relação constante, a assombrosa claridade do silêncio, o encontro transparente da verdade _ el asombro cintilante de la vida ____ SOY pi & phi _

29/4/09






Se fecho meus olhos de fora
para que a minha alma te olhe com os de dentro
e tu fazes o mesmo,
corremos o risco de ficar cegos para sempre,
apenas por olhar-nos um ao outro um instante.






































Não voltar a ver a luz em troca de vê-la,
não haver existido nunca como poeta,
nem sequer como o poeta que nunca existiu
e entregar a alma à alma para esquecer as palavras.


Talvez seja essa a única forma de fazer poesia,
a única maneira de ver o amor,
a única morte onde viver eternamente.








3 comentarios:

pi&phi dijo...

É um poema extra-ordinário, embora não diga isso por ter sido escrito por mim.

~pi dijo...

e também as rosas

que nem são

rosas

( o são






~





~

pi&phi dijo...

Sim, é verdade, e sao.

Archivo del blog

DMCA.com