Escucho el silencio del tiempo que pasa _ escuto agora o silêncio, me quedo con él y en él, entro en las letras y en los números _ atravesso letras e números, embalo e calo _ las callo y los cuento, busco el prodígio de la relación constante _ afloro o prodígio da relação constante, a assombrosa claridade do silêncio, o encontro transparente da verdade _ el asombro cintilante de la vida ____ SOY pi & phi _

6/4/09















Só os fatos que o tempo entrega,
a flor do espírito,
a raiz da alma,
o talo da vida,
nos dão,
ao abrigo do amor inescusável,
à sombra escura do aprendido,
a claridade suficiente,
a liberdade imprescindível
e a tranqüilidade obrigada
para tentar ser e fazer o escrito.


Porque só desde o alicerce
se constrói a casa
e pretender ser um poeta
com cento setenta e cinco anos
é uma presunção pedante.






1 comentario:

~pi dijo...

todos nos podemos convencer

do que pretendemos,

mesmo de ser-poeta ou não-ser

( que é o mesmo)

e também do que melhor

nos

serve

e justifica

( daí o transférico

vazio das palavras

( mais do que tentar

mais

é preciso pés´

é preciso ir

aceitar a dor a doer

o riso a rir

o chão a seguir,,,





~

Archivo del blog

DMCA.com