Escucho el silencio del tiempo que pasa _ escuto agora o silêncio, me quedo con él y en él, entro en las letras y en los números _ atravesso letras e números, embalo e calo _ las callo y los cuento, busco el prodígio de la relación constante _ afloro o prodígio da relação constante, a assombrosa claridade do silêncio, o encontro transparente da verdade _ el asombro cintilante de la vida ____ SOY pi & phi _

12/6/09









Trilogía de

A MAR – TE

M

A

R

T

E




A uma mulher planáltica e transmontana,

que é luz ainda.”





Prefiro um só eco do teu silêncio
que milhões das minhas palavras,
prefiro calar-me a não te escutar.


Prefiro que me feches a boca,
que me agarres as mãos,
dizer-te assim do que não escrevo
e que tu me contes calando.


I

A -


    II

    - MAR


III

- TE




I


A -

A - onde há de ir um homem
encontrar provas de amor
para saber que o amor está nele?

Está em mim o que tenho para dar,
é só em mim que hei de procurar
e é em ti que está a prova do que em mim há.

Irei até onde estás para mim,

irei até mim para chegar a ti,
hei de encontrar a prova que o que escrevo
é o amor e és tu.





II


    - MAR -

    Foi toda a terra – MAR - um dia,
    mas o mar se recolheu,
    negou seu poder imenso
    e cedeu à terra seu lugar para nascer.


E assim viemos ao mundo tu e eu.


Tu no meio de fósseis secos ,
buscando a água nos poços,
sentindo o vento nas costas,
o eco dos sinos,
plantada na terra como uma árvore.

Eu sem mais raiz que a tua,
com a vaga lembrança de levar-te no meu ventre
revivido pela tua fé uterina,
pelo teu profundo Ser no lugar
que ofertei ao ar para que nascesses.


E hoje sou cada vez mais a tua terra,
cada vez mais o vento em tuas costas,
cada vez mais uma borboleta que foge da água
para transformar-se em botão de flor



e depois em verme

e ao fim em embrião da terra
que um dia levei no meu ventre
e que és tu.







III


- TE


- TE de terra,

de telúrico,

te de ti.



A ti vai tudo o que flui no líquido,
seja água, ar ou amor.

A ti vai todo o escrito,
todo o sentido nesta prova de amor
que sai de mim e és tu.



A-mar-te é o final das palavras,
o final dos verbos,
é a carne da terra.

AMAR - TE nesta trilogia
de ser, de ir e de chegar.












1 comentario:

in_side dijo...

de ser de ir e de chegar

repetiu o eco,




*

Archivo del blog

DMCA.com