Escucho el silencio del tiempo que pasa _ escuto agora o silêncio, me quedo con él y en él, entro en las letras y en los números _ atravesso letras e números, embalo e calo _ las callo y los cuento, busco el prodígio de la relación constante _ afloro o prodígio da relação constante, a assombrosa claridade do silêncio, o encontro transparente da verdade _ el asombro cintilante de la vida ____ SOY pi & phi _

28/6/09










~ p á s s a r o


~ p á s s a r


~ p á s s a


~ p á s s


~ p á s

~ p á


~ p


~






A partires do primeiro traço no qual o signo da palavra quer criar um pássaro nomeándo-ó pássaro, o pássaro deixa de ser, in-existe, desiste de si e não vem.

O pássaro é sem que o nomeiem, sem a necessidade de nomeá-lo e não está aqui, porque voa fora da escrita, dentro de si, fora de nós, mesmo que às vezes nos, achemos que deixanos emgaiola-lo e levá-lo numa palavra para nossa própria necessidade.














2 comentarios:

in_side dijo...

a poesia afasta da realidade.
se, num vértice, é uma resposta ao mundo, no outro é a própria alucinação.
os fabricadores de imagens mais não fazem que imitar o que veêm e sentem pelas calhas de roda.
a verdade esconde-se do poeta que a dissimula e reverte-a e esconjura-a.
aquele que melhor pinta, é também o artista mais perigoso: o que mais se aproxima da verdade e ilude os inofensivos, fá-los acreditar.
pelo conceito de verosimilhança, a poesia leva os homens a acreditar. a poesia não pode ser uma vivência pessoal, não é um desabafo.
os artifícios manejados pelo poeta não deviam motivar as paixões, desinquietar as peles.
não desinquietou a dele!
ler a poesia com uma finalidade útil. vivê-la quem lê. não senti-la.
a linguagem poética é a linguagem que sofreu de inoperactividade. esvaziou do significado primeiro e ficou livre para receber novos conteúdos.
o poema nunca quer dizer o que diz.
nada há a dizer, daquilo que se vive.


" a poem should not mean, but BE " archibald mac leish


pois, de novo, trouxe de undress,
] tal como o pássaro-carvão,




*

Anónimo dijo...

Interessantíssima. Toda esta reflexão entre a palavra e a não palavra...

Archivo del blog

DMCA.com