Escucho el silencio del tiempo que pasa _ escuto agora o silêncio, me quedo con él y en él, entro en las letras y en los números _ atravesso letras e números, embalo e calo _ las callo y los cuento, busco el prodígio de la relación constante _ afloro o prodígio da relação constante, a assombrosa claridade do silêncio, o encontro transparente da verdade _ el asombro cintilante de la vida ____ SOY pi & phi _

22/7/09


















Tenho sede dum grão de areia,
fome de uma ilha,
do teu corpo margem desnuda do mar,
do meu corpo insular só em ti,
do nosso isolado quente mundo.

















Memória do presente,
tão vivo como este desejo,
tão desejado como este sal que é grão,
ilha,
mar
que adereça o amor das palavras,
e entra na ferida que elas abrem,
que não sei eu mais nada que escrevê-las,
tão longe eu do mar de ti
e tão em mim tu como uma ilha no meio do mar.

















1 comentario:

~pi dijo...

o rasto já branco já

corda, deserto,

miragem

[ ojo d água

morabezza

terra-seca-seca

já corpo

] azul-claramente

in

crestado

sal




~

DMCA.com