Escucho el silencio del tiempo que pasa _ escuto agora o silêncio, me quedo con él y en él, entro en las letras y en los números _ atravesso letras e números, embalo e calo _ las callo y los cuento, busco el prodígio de la relación constante _ afloro o prodígio da relação constante, a assombrosa claridade do silêncio, o encontro transparente da verdade _ el asombro cintilante de la vida ____ SOY pi & phi _

20/1/15




Teus olhos uns lagos
sem vento
a que dedico o silêncio
da tua ausência
quando estás sorrindo
para além de mim.
Havias de prever para este corpo
uma derrota menos suave, estavas
falando de coisas
estranhas, a que horas
fechavam as lojas, qual a face
assomando à janela.
De súbito
um turbilhão de sons confusos
vinha tornar claro o teu rosto,
fomos,
eu perguntava se era urgente
o corpo.
Vinha o vento e finalmente
adormecias. Já não posso contar
de uma razão para te
esquecer. A paz
voltou a teu olhar, eu
fui no sonho que tiveste

teus olhos
refazem-se da maré que um dia 

o vento trouxe aos teus dias.



Hélder Moura Pereira 
Entre o deserto e a vertigem, Ed Centelha





~

2 comentarios:

pi&phi dijo...

Vertigem que ecoa nos meus ouvidos.
Belo.

~pi dijo...

Ecoa do cedo-tarde do meu agora. Belamente, também

Archivo del blog

DMCA.com